SESC - Serviço Social do Comércio

Cinco décadas de música nordestina plugada no amplificador!

14.06.2021

Zé Ramalho, em Recife, nos anos 70 | Foto: Carlos Ebert CC by 2.0)

No fim dos anos 60, em meio a um período turbulento da história brasileira, um grupo de artistas baianos deu início a uma revolução cultural sem precedentes. De ouvidos igualmente abertos para os sons nativos de sua terra e para os acordes produzidos pelos rockeiros ingleses e americanos, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa balançaram a estrutura conservadora da cena musical, em uma época que os Festivais dominavam as paradas e ditavam as regras do que era boa música no Brasil.

Os chamados de Tropicalistas, movimento que posteriormente se expandiu para abrigar outras manifestações artísticas como poesia e artes visuais, foram pioneiros em mesclar essas influências para produzir uma linguagem completamente distinta de tudo que existia até então.

No entanto, o país vivia o auge da repressão militar, traduzida de maneira nefasta no famigerado Ato Institucional nº 5 de 1968, e, a Tropicália, cuja natureza já era efêmera e pop, teve sua trajetória abreviada pelos exílios de Gil e Caetano, em 1969, e pelo suicídio, em 1972, do poeta piauiense Torquato Neto. No entanto, a semente já estava na terra e produziu frutos imediatos. Seu legado, de alguma forma, foi compartilhado, estendido e até mesmo negado, pela geração seguinte. Psicodélicos pernambucanos, novos baianos e o pessoal do Ceará entram em cena em um mercado fonográfico aquecido e atento aos fenômenos regionais. Chegam os anos 70, com sua diversidade de sonoridades e discursos! Compositores, instrumentistas e poetas cujas temáticas tratavam da mesma maneira lírica o carnaval de Salvador e as crônicas da arribação e da seca.

A seleta Nordeste Elétrico pretende, justamente, relembrar esse recorte e celebrar esses encontros fortuitos. Zabumba e guitarra elétrica, pífano e sintetizador, afoxé e contrabaixo, ciranda e distorção: uma playlist pra registrar as múltiplas tradições nordestinas e como estas absorveram (de bom grado) o rock, a psicodelia e o pop para criar diferentes linguagens musicais, ao longo dos últimos 50 anos.

Bota aí pra tocar no seu player preferido!

Deezer:

Spotify:

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.