SESC - Serviço Social do Comércio

#EmCasaComSesc

Série Cinema #EmCasaComSesc estreia novos filmes com exibição gratuita em streaming

15.09.2020

A partir de quinta-feira, dia 10 de setembro, o Cinema #EmCasaComSesc exibe alemão ‘Em Trânsito’, o japonês ‘Esplendor’; o suíço ‘A Cidade Branca’; o documentário nacional ‘Uma Noite em 67’ e o curta ‘Selma Depois da Chuva’; animação ‘Abril e o Mundo Extraordinário’; além dos festivais In-Edit, Mostra Mundo Árabe, Festival Sesc Melhores Filmes e o projeto Cine África; para assistir, acesse sescsp.org.br/cinemaemcasa

Após completar três meses no ar e com mais de 580 mil visualizações, a série Cinema #EmCasaComSesc, realizada pelo Sesc São Paulo, disponibiliza gratuitamente ao público filmes em streaming pela plataforma do Sesc Digital. Nesta semana, além das estreias do período, a série exibe novo longa da Mostra Mundo Árabe de Cinema em Casa, um título do Cine África e seis filmes selecionados do In-Edit | Festival Internacional do Documentário Musical, além de um curta-metragem.

Uma das estreias da semana é “Esplendor”, da diretora japonesa Naomi Kawase. Vencedor do Prêmio do Júri Ecumênico e indicado à Palma de Ouro do Festival de Cannes de 2017, o filme narra a história de Misako, uma dubladora apaixonada por versões cinematográficas para deficientes visuais. Em uma exibição, ela conhece Masaya, um fotógrafo mais velho que está perdendo lentamente sua visão. Juntos, eles aprenderão a ver um mundo invisível para os olhos. A classificação indicativa é de 10 anos. Exibido nos festivais de Berlim, Toronto e Buenos Aires e último filme da trilogia chamada “Amor em Tempos de Sistemas Opressivos”, o longa “Em Trânsito”, do diretor alemão Christian Petzold, é baseado no romance escrito por Anna Seghers e acompanha um homem que tenta fugir da França após a invasão nazista. Classificação indicativa: 12 anos.

O Cinema #EmCasaComSesc estreia também “A Cidade Branca”, do cineasta suíço Alain Tanner. O filme, de 1982, traz a história de Paul, um engenheiro em que desembarca em Lisboa sem uma razão especial. Sua estadia em um quarto de hotel é vista como um parênteses em sua vida, um interlúdio, durante o qual experimenta um grande vazio existencial. Ele vagueia pela cidade por dias a fio, filmando com sua câmera Super-8. O longa tem classificação de 14 anos e foi exibido também no 8º Panorama Digital do Cinema Suíço.

Outro destaque é o documentário brasileiro “Uma Noite em 67”, de Ricardo Calil e Renato Terra, que mostra os detalhes da final do III Festival da Música Popular Brasileira da TV Record, realizada em 21 de outubro de 1967. Entre os candidatos aos principais prêmios, figuravam Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Mutantes, Roberto Carlos, Edu Lobo e Sérgio Ricardo, protagonista da célebre quebra da viola no palco. Fechando as estreias da curadoria semanal de longas está a animação “Abril e o Mundo Extraordinário”, de Franck Ekinci e Christian Desmares. O filme conta a história da jovem Abril, que parte em busca de seus pais, cientistas desaparecidos, em companhia de Darwin, seu gato falante, e de Julius, jovem vigarista das ruas. Esse trio deverá enfrentar perigos e mistérios. Ambos, documentário e animação, têm classificação indicativa livre.

A série estreia também o curta-metragem nacional “Selma Depois da Chuva”, de Loli Menezes. Selma é uma mulher trans que construiu sua vida longe da família. Um dia, ela recebe um telefonema para ir buscar sua mãe idosa, que sofre de Alzheimer. Nesse encontro, perdidas em lembranças confusas, as duas se lembram de dores e desejos esquecidos. O curta ganhou os Prêmios de Melhor Direção no 27º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade, Menção Honrosa de Melhor Narrativa Curta no Independent Short Awards e Menção Especial no London-X4 Short Film Festival, em 2019. Classificação indicativa: 16 anos.

O projeto Cine África, que traz filmes de países como Burkina Faso, Camarões, Egito, Etiópia, Nigéria, Quênia, Senegal e Sudão, estreia na plataforma do Sesc Digial, exibindo nesta semana o longa-metragem “Fronteiras”, da cineasta burquinense Apolline Traoré, dentro do Cinema #EmCasaComSesc. O longa de ficção apresenta a história de três mulheres de origem diferentes, Adjara (senegalesa), Emma (marfinense) e Sali (burquinense), que se encontram em um ônibus na rota entre Bamako (Mali) e Cotonou (Benin). Durante a viagem, elas descobrem belas paisagens africanas e se unem ao enfrentar problemas comuns. A classificação indicativa é de 14 anos. Cine África tem realização do Sesc São Paulo e acontece de setembro a novembro de 2020, com exibições, entrevistas e curso. Para saber mais sobre a Mostra de Cinemas Africanos e o projeto Cine África, acesse: mostradecinemasafricanos.com.

Mais um filme da Mostra Mundo Árabe de Cinema em Casa estará na programação desta semana. A ficção “1982”, de Oualid Mouaness, traz um retrato de uma linha imaginária de demarcação entre dois mundos, durante um dos momentos mais terríveis da história do Líbano: o mundo adulto e o das crianças, uma fronteira que separa aqueles que conhecem a verdade daqueles que não sabem da gravidade da situação. Apesar do espírito político e antiguerra, o filme não é um thriller de conflito militar, mas um hino à inocência da infância. A classificação indicativa é de 14 anos.

A plataforma do Sesc Digital também exibe nesta semana seis títulos do In-Edit | Festival Internacional do Documentário Musical. De 11 a 19/9, serão exibidos o norueguês “The Men’s Room”, “Ibiza – The silente Movie”, de Julien Temple, “Sufi, Saint and Swinger”, sobre a vida do jazzman Dr. Lloyd Miller, os brasileiros “Aleluia, o Canto Infinito do Tincoã” e “Memórias Afro-Atlânticas” e o português “Batida de Lisboa”. Confira abaixo a programação completa e os períodos de exibição. Informações completas sobre o In-Edit | Festival Internacional do Documentário Musical em br.in-edit.org.

E o 46º Festival Sesc Melhores Filmes continua. Para esta edição especial online, foi disponibilizado um recorte com alguns dos filmes mais votados pelo público e pela crítica que estariam na programação da edição presencial do Melhores. O público pode ver e rever gratuitamente filmes como o polonês “Guerra Fria”, de Pawel Pawlikowski, o dinamarquês “Rainha de Copas”, de May el-Toukhy, o sueco “Border”, de Ali Abbasi e “Cine São Paulo”, de Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli. Os filmes ficam disponíveis na plataforma do Sesc Digital até 20 de setembro. Para assistir basta acessar sescsp.org.br/cinemaemcasa.

PROGRAMAÇÃO

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.