SESC - Serviço Social do Comércio

Agende sua visita à exposição de Frestas – Trienal de Artes

14.08.2021

Filtro sobre foto da obra
Filtro sobre foto da obra “Jiwasan amayusa / El pensar de nuestras filosofías” (Elvira Espejo, 2019)

Matéria atualizada em 30/09/21:
A partir do dia 4/10, será necessário apresentar comprovante de vacinação contra COVID-19 (pelo menos a primeira dose) para ingressar nas unidades do Sesc no estado de São Paulo.

Poderá ser apresentado:
• Comprovante de vacinação físico ou digital, recebido no ato da vacinação;
• Comprovante de vacinação impresso ou digital, disponibilizado pelas plataformas VaciVida e ConecteSUS ou pelo aplicativo e-saúdeSP.

 

Clique aqui para agendar gratuitamente sua visita à exposição que acontece de 21 de agosto de 2021 a 30 de janeiro de 2022 no Sesc Sorocaba e espaços públicos da cidade. Em sua 3ª edição, Frestas reúne 53 artistas e coletivos de diferentes nacionalidades.

A abertura online será transmitida no sábado, dia 21, às 19h, no canal do Sesc São Paulo no YouTube e do Sesc Ao Vivo, no Instagram.


[clique aqui para agendamento de visitas a outras exposições em unidades do Sesc]

Trazer para a prática o debate sobre economias de acesso, refletir sobre as políticas e poéticas de exibição, investigar quais estratégias de solidariedade são possíveis, bem como aquilo que dizem os corpos que, habitando estruturas de poder assimétricas, estão a criar um vasto mundo fora do mundo. Essa é a proposta da 3ª edição de Frestas – Trienal de Artes, cuja exposição, com curadoria do trio Beatriz  LemosDiane Lima e Thiago de Paula Souza, acontece de 21 de agosto de 2021 a 30 de janeiro de 2022 no Sesc Sorocaba. Essa edição de Frestas leva o título O rio é uma serpente e conta com assistência de curadoria de Camila Fontenele e coordenação educativa de Renata Sampaio. No dia 21, às 19h, haverá ainda a transmissão de um programa de abertura conduzido pela  jornalista e apresentadora Adriana (Didi) Couto, exibido pelo canal do Sesc São Paulo no YouTube e do Sesc Ao Vivo no Instagram. O programa apresentará um pouco do que se pode esperar de uma visita à exposição, assim como detalhes do seu processo de realização.

A curadoria selecionou 53 artistas e coletivos de diferentes nacionalidades para integrar a mostra [confira a lista completa abaixo]. São nomes do Brasil, da África do Sul, Bolívia, Chile, Colômbia, Estados Unidos, França, Holanda, México, Peru, República Dominicana e Suíça, que residem em diferentes países e exibem obras nos mais diversos suportes, desde pinturas até instalações e performances. Destes, 32 foram selecionados para criar obras comissionadas e inéditas para o projeto, são nomes como Castiel Vitorino BrasileiroDalton PaulaDenilson BaniwaDiego AraújaGê VianaLia Garcíia (La Novia Sirena)Sallisa Rosa e Sucata QuânticaVentura Profana e Vijai Patchineelam [confira a lista completa abaixo].

Para Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo, com a realização desta edição de Frestas, “o Sesc reafirma a direção que procura apontar com sua ação cultural, fomentando experiências simbólicas dedicadas a buscar saídas em meio a uma conjuntura cujas vias parecem conduzir a lugares onde não gostaríamos de chegar, embora já tenhamos chegado. Emblemática desses ‘lugares’, a pandemia de  Covid-19 se interpôs na trajetória de Frestas, exigindo que seu curso fosse alterado”. Originalmente prevista para ter sua mostra aberta ao público em agosto de 2020, a Trienal acabou se iniciando, naquele momento, com uma série de ações formativas e agora a instituição se prepara para a montagem da exposição que ocupará a unidade do Sesc e espaços públicos da cidade de Sorocaba.

Filtro sobre foto de parte da obra “Nhíromi” (Denilson Baniwa, 2020-2021)

 Em 2020, parte das atividades programadas ocorreram integralmente em ambiente digital: o Programa de Estudos, que contou com a presença de quinze artistas da edição; O rio é uma serpente: tópicos para a diferença e justiça social, um programa formativo para professores que integra o núcleo educativo; e o Programa Orientado a Práticas Subalternas (POPS), conduzido pelo Colectivo Ayllu, um grupo colaborativo de pesquisa e ações artístico-políticas.

Para a curadoria, “a plataforma da 3ª Frestas – Trienal de Artes investiga as possibilidades, potências e desafios que transitam por múltiplos ecossistemas naturais, espirituais e subjetivos, reunindo um conjunto de tecnologias forjadas por outros corpos que, em tempos e espaços históricos distintos, foram condicionados a agenciar permanências e acessos. Para que a mostra enfim chegasse em seu momento de abertura, foi necessário recalcular algumas rotas, fabular estratégias e negociações, reimaginar o porvir. Assim, ao desaguar em Sorocaba, O rio é uma serpente intui a abertura de um portal que suscita possibilidades, reflexões e diálogos para além do agora“.

Lista completa de artistas da 3ª Trienal (local de nascimento / local de residência)

Aimée Zito Lema (Amsterdã, Holanda / Amsterdã, Holanda) 

Ana Pi (Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil / Paris, França) e Maria Fernanda Novo (Olímpia, São Paulo, Brasil / Campinas, São Paulo, Brasil) 

Antonio Társis (Salvador, Bahia, Brasil / Salvador, Bahia, e Rio de Janeiro, Brasil, e Londres, Inglaterra) 

Bronwyn Katz (Kimberley, África do Sul / Cidade do Cabo e Joanesburgo, África do Sul) 

Carmézia (Maloca do Japó, Roraima, Brasil / Boa Vista, Roraima, Brasil) 

Castiel Vitorino Brasileiro (Vitória, Espírito Santo, Brasil / Vitória, Espírito Santo, Brasil) 

ColetivA Ocupação (São Paulo, Brasil / São Paulo, Brasil) 

Colectivo Ayllu (diversos, América Latina / Madri, Espanha) 

Dalton Paula (Brasília, Distrito Federal, Brasil / Goiânia, Goiás, Brasil) 

Davi de Jesus do Nascimento (Pirapora, Minas Gerais, Brasil / Pirapora, Minas Gerais, Brasil) 

Davi Pontes (São Gonçalo, Rio de Janeiro, Brasil / Rio de Janeiro, Brasil) e Wallace Ferreira (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil / Rio de Janeiro, Brasil) 

Denilson Baniwa (Barcelos, Amazonas, Brasil / Niterói, Rio de Janeiro, Brasil) 

Denise Alves-Rodrigues (Itaporã, Mato Grosso do Sul, Brasil / São Paulo, Brasil) 

Diego Araúja (Salvador, Bahia, Brasil / Salvador, Bahia, Brasil) 

Ella Vieira (Sorocaba, São Paulo, Brasil / Sorocaba, São Paulo, Brasil) 

Elvira Espejo (ayllu Qaqachaka, Oruro, Bolívia / La Paz, Bolívia) 

Engel Leonardo (Baní, República Dominicana / Santo Domingo, República Dominicana) 

Fernando Palma Rodríguez (San Pedro Atocpan, México / Região Agrícola de Milpa Alta, México)  

Gê Viana (Santa Luzia, Maranhão, Brasil / São Luís, Maranhão, Brasil) 

Guerreiro do Divino Amor (Genebra, Suíça / Rio de Janeiro, Brasil) 

Haseeb Ahmed (Toledo, Ohio, Estados Unidos / Bruxelas, Bélgica) 

Iagor Peres (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil / Recife, Pernambuco, Brasil)  

Ivan Henriques (Rio de Janeiro, Brasil / Amsterdã, Holanda)  

Jaider Esbell (Normandia, Roraima, Brasil / Boa Vista, Roraima, Brasil)  

Johanna Unzueta (Santiago, Chile / Berlim, Alemanha)   

Jonas van Holanda (Fortaleza, Ceará, Brasil / Genebra, Suíça) 

Jota Mombaça (Natal, Rio Grande do Norte, Brasil / Lisboa, Portugal) 

Juliana dos Santos (São Paulo, São Paulo, Brasil / São Paulo, Brasil)  

Julien Creuzet (Le Blanc-Mesnil, França / Montreuil, França) 

Lais Machado (Salvador, Bahia, Brasil / Salvador, Bahia, Brasil) 

Laura Lima (Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil / Rio de Janeiro, Brasil) 

Lia García (La Novia Sirena) (Cidade do México, México / Cidade do México, México) 

Luana Vitra (Contagem, Minas Gerais, Brasil / Belo Horizonte e Contagem, Minas Gerais, Brasil) 

Madalena dos Santos Reinbolt (Vitória da Conquista, Bahia, Brasil / Petrópolis, Rio de Janeiro, Brasil – 1977) 

Marepe (Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil / Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil) 

Mário Lopes (São Paulo, São Paulo, Brasil / Munique, Alemanha e Helsinki, Finlândia) 

Musa Michelle Mattiuzzi (São Paulo, São Paulo, Brasil / Berlim, Alemanha) 

Negalê Jones (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil / Magé, Rio de Janeiro, Brasil ) 

Noara Quintana (Florianópolis, Santa Catarina, Brasil /São Paulo, São Paulo, Brasil) 

Nohemí Pérez (Tibú, Colômbia / Bogotá, Colômbia) 

Paulo Nazareth (Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil / Vive e trabalha pelo mundo)  

Pêdra Costa (Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, Brasil / Berlim, Alemanha) 

Pedro Victor Brandão (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil / Rio de Janeiro, Brasil)  

Rebeca Carapiá (Salvador, Bahia, Brasil / Salvador, Bahia, Brasil)  

Rommulo Conceição (Salvador, Bahia, Brasil / Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil) 

Sabelo Mlangeni (Driefontein, Mpumalanga, África do Sul / Joanesburgo, África do Sul) 

Sallisa Rosa (Goiânia, Goiás, Brasil / Rio de Janeiro, Brasil) e Sucata Quântica (São Paulo, São Paulo, Brasil / Rio de Janeiro, Brasil) 

Shirley Villavicencio Pizango (Lima, Peru / Lima, Peru) 

Tabita Rezaire (Paris, França / Vincennes, França)  

Thiago Martins de Melo (São Luís, Maranhão, Brasil / São Luís, Maranhão e São Paulo, Brasil e Guadalajara, México) 

Ventura Profana (Salvador, Bahia, Brasil / Rio de Janeiro, Brasil) 

Vijai Patchineelam (Niterói, Rio de Janeiro, Brasil / Bélgica) 

Zumvi Arquivo Fotográfico (Salvador, Bahia, Brasil) 

Lista completa de artistas com obras comissionadas

Aimée Zito Lema; Ana Pi e Maria Fernanda Novo; Antonio Társis; Castiel Vitorino​ Brasileiro; Dalton Paula; Davi de Jesus do Nascimento; Davi Pontes e Wallace Ferreira; Denilson Baniwa; Denise Alves-Rodrigues; Diego Araúja; Ella Vieira; Gê Viana; Haseeb Ahmed; ​Iagor Peres; Jonas van Holanda; Jota Mombaça; Juliana dos Santos; Lais Machado; Lia García (La Novia Sirena); Luana Vitra; Mário Lopes; Musa Michelle Mattiuzzi​; Negalê Jones; ​Noara Quintana; Paulo Nazareth; Pedro Victor Brandão​; Rebeca Carapiá; Rommulo Conceição; Sallisa Rosa e Sucata Quântica; Thiago Martins de Melo; Ventura Profana; Vijai Patchineelam.

O rio é uma serpente

Ao questionar os limites entre o negociável e o inegociável na realização de uma exposição de arte contemporânea nos tempos atuais, o trio de curadoria convidado pelo Sesc investiga, na Trienal, as possibilidades, as potências e os desafios que transitam por múltiplos ecossistemas naturais, espirituais e subjetivos, reunindo um conjunto de tecnologias forjadas por outros corpos que, em tempos e espaços históricos distintos, foram condicionados a agenciar permanências e acessos como único modo de garantir a manutenção de suas existências. 

A serpente, como metáfora expandida por sua ampla cosmologia nas mais diferentes narrativas míticas e culturais, atua como mirada para discutir o tempo não linear e os efeitos das inúmeras contradições destravadas pelo avanço do capital neoliberal e pelos processos sistêmicos de captura de subjetividades como geração de valor e reencenação de uma ética colonial.  

Das curvas dos rios navegados durante a viagem de pesquisa dos curadores em outubro de 2019, surgiram as palavras cheias de imagem que deram nome ao título-estopim da 3ª edição de Frestas. Segundo o trio curatorial, “foram as formas serpenteadas por um tempo não linear que nos ajudaram a traduzir as experiências intangíveis dos contratos, conflitos e acordos que vivenciamos, bem como das estratégias de solidariedades praticadas por todos aqueles que fazem parte da plataforma Frestas. O rio é uma serpente  porque se esconde e camufla e, entre o imprevisível e o mistério, cria estratégias em seu próprio movimento”. 

A pesquisa para esta 3ª edição se iniciou com processos de escuta e trocas com diferentes agentes culturais de Sorocaba e região, expandindo-se para Boa Vista e para a terra indígena Raposa-Serra do Sol, em Roraima; Manaus e arredores do rio Tupana, no Amazonas; Belém, no Pará; Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí; Alcântara e São Luís, no Maranhão.  

Ao desaguar em Sorocaba, O rio é uma serpente retoma o diálogo com a cidade articulando olhares para suas geografias e possibilidades de afetação, encontro e memória com agentes, coletivos, grupos, artistas, centros de cultura independente, rádios e bibliotecas comunitárias. Desse modo, cria novas paisagens questionando de que forma códigos e linguagens são criados e quais mecanismos compactuam com a manutenção de infraestruturas que regulam dinâmicas de poder, legitimam discursos, condicionam acessos, travam a crítica e forjam uma ideia de pacificação e consenso.
 

Sesc Sorocaba | Foto: Adriano Sobral

Frestas – Trienal de Artes

Frestas é uma iniciativa trienal estruturada em três eixos – programa público, publicações e exposição – que compõe a ampla agenda cultural realizada pelo Sesc São Paulo. É, sobretudo, uma plataforma transdisciplinar que promove novas atuações e reflexões num campo mais amplo das artes visuais, trazendo também a atenção do público e do circuito de maneira mais descentralizada. Frestas trata de passagem, de racha, de ruptura, ou seja, é uma abertura para um novo lugar democrático de atuação. 

A fim de aproximar artistas locais de produções regionais e internacionais e estabelecer o diálogo entre questões sociais próprias ao contexto brasileiro e às reflexões da esfera global, a Trienal apresenta desde outubro de 2020 uma programação pública e online de atividades, debates e oficinas – ações que promovem discussões diversas do campo da arte contemporânea – e, a partir de agosto de 2021, trará o lançamento de publicações e a inauguração da exposição.

A realização do projeto ocorre na unidade do Sesc localizada em Sorocaba, a 100 quilômetros da capital do estado. Desde 2014, a Trienal de Artes vem se dedicando a discutir e a problematizar as questões urgentes que pautam os dias de hoje. Pela dimensão e relevância do programa, Frestas tem colaborado com a ampliação da cena artística contemporânea no estado de São Paulo. Além disso, tem  também contribuído com a capacitação de arte-educadores e com a formação de  redes de profissionais da cultura fora das capitais, e, em âmbito local, incentivado, por consequência, o fomento às artes no interior do estado, bem como a descentralização das atividades culturais.

Frestas é uma realização do Sesc São Paulo e, nesta edição, conta com apoio do Consulado Geral da França em São Paulo, da Fundação Suíça para a Cultura Pro Helvetia, da PlattformPLUS, da Kulturreferat MunchenAVEKKenno FilmiAue-Stiftung e da Prefeitura Municipal de Sorocaba.

Exposição da 3ª edição de Frestas – Trienal de Artes | O rio é uma serpente

Local: Sesc Sorocaba e outros espaços da cidade
Período da exposição presencial: 21 de agosto de 2021 a 30 de janeiro de 2022
Terça a sexta: 12h às 20h
Sábados, domingos e feriados: 12h às 18h
Classificação indicativa: Livre

Curadoria: Beatriz Lemos, Diane Lima e Thiago de Paula Souza
Assistência de curadoria: Camila Fontenele
Coordenação educativa: Renata Sampaio

sescsp.org.br/frestas
facebook.com/frestas.trienal.artes
instagram.com/frestas.trienal.artes  

A visitação presencial à exposição de Frestas segue rígidos protocolos sanitários, como a ocupação reduzida dos espaços e sua constante higienização. Além disso, neste momento, a visitação é permitida somente mediante agendamento prévio pelo site sescsp.org.br/frestas

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.