SESC - Serviço Social do Comércio

Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo

14.10.2021

Acontece, entre os dias 20 a 31 de outubro, a 3ª edição do Dona Ruth: Festival de Teatro de São Paulo, um encontro entre o centenário de Ruth de Souza, uma das mais importantes artistas do teatro, cinema e da teledramaturgia do Brasil, e as cosmovisões, as políticas e as poéticas negras e indígenas do país.

Esta terceira edição do festival traz uma programação totalmente gratuita, com cerca de 30 atividades, entre on-line e presenciais. Serão 16 Atos Artísticos (espetáculos, experimentos cênicos, performances e show), 11 Giras de Conversa e quatro Quilombos Artístico-Pedagógicos. 

O Sesc São Paulo recebe uma programação dedicada às infâncias, com os espetáculos “Cattapum!”, O guerreiro e o curupira e Histórias do Lado de Cá da Calunga, além do Encontro de Sabenças com Cyda Baú e Daniel Munduruku e o Quilombo Artístico-Pedagógico – Pedagogias da Abundância, com orientação de Joice Jane Teixeira, José Ricardo e Tatiane Henrique. 

Em destaque em toda a programação está a confluência das estéticas, poéticas, políticas e saberes negros e indígenas, tão fundamentais não apenas para mobilizar reflexões sobre os problemas raciais do país, mas também para tensionar e ampliar as possibilidades de criação e elaboração artística, a construção de uma sociedade que preze pela garantia de direitos, igualdade social, preservação do meio ambiente e dignidade humana para todas as pessoas. 

O Festival de Teatro Negro de São Paulo percorre Norte a Sul do país com a presença de artistas e críticos dos quatro cantos do Brasil em suas mais variadas regiões. São obras, espetáculos e discussões propostas por profissionais de 12 estados diferentes, do Amapá ao Rio Grande do Sul.

Idealizado por Ellen de Paula e Gabriel Cândido, com realização da Aquariane Produções Artístico Culturais, o festival é realizado em parceria com o Sesc São Paulo, o Itaú Cultural, a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, a Oficina Cultural Oswald Andrade e o Museu Afro Brasil.

Confira os detalhes da programação no Sesc:

23/10, às 15h: O guerreiro e o curupira
O espetáculo infantil do grupo de artes Dyroá Bayá (AM/SP) narra a vontade de um guerreiro em ganhar o respeito do seu povo. Para conseguir, ele decide sequestrar o filhote de curupira, mesmo sabendo dos riscos que corria. Por causa da vontade de ser reconhecido como guerreiro, passa a desobedecer até os conselhos do grande pajé. Mas graças a essa aventura ele é lembrado até hoje pelos povos indígenas do Alto Rio Negro no Amazonas.
>> On-line e gratuito, em youtube.com/sescsp

24/10, às 15h: Catappum!
Numa manhã cinzenta, um barulho ensurdecedor faz com que todos os habitantes de uma cidade “imaginária” caiam num sono profundo, CATAPPUM! No meio do emaranhado de corpos, Shortz e Calarças são os únicos sobreviventes acordados. Os atrapalhados palhaços se envolvem no grande mistério de descobrir quem é o responsável por fazer toda a cidade cair num sono profundo. Nesta busca eles se deparam com a falta de comunicação e o medo permanente de “dormir” a qualquer momento. O espetáculo traz a estética preta para o picadeiro dos palhaços, com música ao vivo, bonecos e jogos com a plateia.
>> On-line e gratuito, em youtube.com/sescsantoamaro

30/10, às 15h: Histórias do Lado de Cá da Calunga
O ato do N’Kinpa – Núcleo de Culturas Negras e Periféricas traz a ancestralidade para o centro do palco. A palavra ora cantada, ora contada será o fio do encanto e do acalanto, e apresentará uma cardiografia das vivências e epistemologias do grupo. A N’KINPA – Núcleo de Culturas Negras e Periféricas surgiu em 2018 integrando artistas educadoras(es) negras(es/os) e não negras(es/os), gestando ações envolvendo negritude, territorialidade, infância e valorização da nossa cultura afro-indígena brasileira.
>> On-line e gratuito, em youtube.com/sescsp

31/10, às 15h: Encontro de Sabenças
Uma guardadora e um guardador de histórias compartilham entre si narrativas fundamentadas nas cosmovisões indígenas e negras, como política de encantamento das infâncias a partir das provocações de uma pessoa na função de mediadora. Com Cyda Baú, atriz, pesquisadora e produtora e quilombola de Aracuraí (MG); Daniel Munduruku, escritor e professor paraense, pertencente ao povo indígena Munduruku, e Will Lima, pedagogo, bailarino, artista educador do corpo, dança e movimento.
>> On-line e gratuito, em http://youtube.com/sescsantoamaro

26 a 29/10, das 14h30 às 17h: Quilombo Artístico-Pedagógico – Pedagogias da Abundância
Com a orientação de Joice Jane Teixeira (SP), José Ricardo (RN) e Tatiane Henrique (RJ), este espaço de vivência é dedicado a sonhar as infâncias e os direitos das crianças no cruzo entre os saberes indígenas e negros, através do exercício ético, político, poético e pedagógico de tensionar os saberes hegemônicos que historicamente fundamentam o campo da educação e suas práticas.
Público: professoras/es, educadoras/es populares, arte/educadores, artistas, pesquisadoras/es do campo das artes, cultura e educação, estudantes de cursos de licenciaturas.
Inscrições até 19/10 aqui.
>> On-line e gratuito no Zoom – Sesc Interlagos.

Conheça a programação completa do Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo no site: www.donaruthftnsp.com.br

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.