SESC - Serviço Social do Comércio

Mãe ou Eu Também Não Gozei

01.02.2021

Classificação indicativa: 18 anos

A performance é sobre a mulher (ou uma mulher, ou todas mulheres) que espera seu filho nascer – ou está no puerpério – ou cria seu filho sozinha – enquanto navega por essa experiência de gestar, parir, criar e sobreviver em meio à solidão, amor e medo.

O pai da criança ninguém sabe quem é. A mulher, a mãe também não sabe quem é o pai do seu filho. Ele é o homem (ou um homem, ou todos os homens).

Em uma estrutura fragmentada, não necessariamente linear, a gravidez é desmembrada e subtraída de sua aura de idealização.

Aperte o play para começar: 

Ficha Técnica

Concepção, atuação e dramaturgia: Letícia Bassit
Bateria e percussão: Felipe Aranha
Gravação, sonorização e edição: Cella Azevedo
Designer gráfico: Juliana Piesco
Produção: Tatiana Mohr
Realização: Sesc
Voz-off das advogadas: Ana Paula Braga e Marina Ruzzi 

Letícia Bassit é atriz-performer, escritora-dramaturga, diretora e arte-educadora. Nasceu em São Paulo, em 1988. É formada pela Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo e graduada em Comunicação Social pela Fundação Cásper Líbero. Como escritora foi contemplada no PROAC Dramaturgia com o projeto “Mãe ou Eu também não gozei”, publicado no ano de 2019 pela Editora Patuá com lançamento na FLIPEI/Paraty 2019. O livro teve como desdobramento criativo a peça-performativa homônima, diversas mesas de debate com especialistas da área política, jurídica e psicanalítica e também oficinas de escrita. Atualmente, Letícia organiza uma série de ações sobre feminismo, parentalidades, maternidade, literatura e performance. Sua pesquisa e criação atual é o experimento digital “Cabra que lambe Sal”, com direção de Nelson Baskerville, transmitido online em confinamento a partir do seu apartamento. Também fez parte com este trabalho do projeto Mulheres em cena realizado pela Cia. Fragmento de Dança de modo online – YouTube. Como atriz-performer-criadora, integrou Núcleo Feminino Abjeto, grupo de pesquisa performática dirigido pela atriz e diretora Janaína Leite (Grupo XIX de Teatro). Com o grupo, entre 2017 e 2018, fez quatro temporadas da performance-experimento “Feminino Abjeto”, no Galpão do Grupo XIX, Teatro Centro da Terra, Teatro de Contêiner Mungunzá e Sesc Belenzinho.

Felipe Aranha – Baterista profissional desde 2003, concluiu duplo bacharelado pela Berklee College of Music, em Performance e Composição em Jazz. Participou da gravação de quatro álbuns de estilos que vão do rock à música brasileira, além de ter tocado ao vivo com diversas bandas,incluindo Os Brazucálias (de música brasileira), Black papa (funk), So what (rock), entre outros.

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.